Como escolher um amortecedor confiável?

Personagem principal do sistema de suspensão do veículo, o amortecedor, aliado a outras peças, é responsável pela segurança do carro e pelo conforto dos passageiros. Mas sempre surge a dúvida: como escolher um amortecedor confiável?

Sabemos que esse componente controla as oscilações da suspensão, reduzindo o impacto do seu movimento. Com isso, o mecanismo mantém o pneu “grudado” ao solo e proporciona equilíbrio ao veículo. Mas sempre é possível aprender mais.

Para aprofundar seus conhecimentos a respeito desse item fundamental para qualquer automóvel, continue lendo este post especial que preparamos sobre o assunto. Vamos lá?

Qual a importância do amortecedor para o funcionamento do veículo?

Neste momento, você deve estar se perguntando: por que eu preciso ler sobre isso se eu já sei? Calma! Aqui, vamos dar algumas dicas sobre como dar explicações técnicas para seu cliente sem que ele fique perdido com os termos.

Sempre que um cliente pedir um exemplo prático da importância dos amortecedores, diga que eles funcionam como um isolante de movimento. Assim, suavizam aqueles solavancos quando o carro está rodando por uma superfície esburacada ou que não seja totalmente plana.

Além disso, o amortecedor tem impacto direto na qualidade da frenagem, na realização de curvas fechadas e em alta velocidade e, até mesmo, durante a aceleração.

Outro fator importante e que deve ser explicado aos clientes: o amortecedor não trabalha sozinho. Por isso, mesmo que ele ainda esteja bom, outros componentes desgastados podem prejudicar o seu funcionamento. Aqui, estamos falando de peças como ajunta homocinética, bieletas, coxins, buchas de suspensão, entre outras partes que você já conhece.

O que um amortecedor confiável deve ter?

Vamos agora fazer um teste rápido de memória. Você sabe nos dizer quais são os componentes de um amortecedor? Listamos, a seguir, 13 deles. Dê uma olhada se você acertou:

  • guia de compressão;
  • mola de compressão;
  • retentor de compressão;
  • base de compressão;
  • cinco tipos de válvulas, incluindo as de apoio, de tração, de compressão e a válvula-S;
  • selo de vedação;
  • capa do selo;
  • mancal;
  • aparador e anel do aparador;
  • pistão e anel do pistão;
  • cilindro de reserva;
  • base de apoio;
  • porca.

Nota máxima no teste? Temos certeza que sim!

É fundamental destacar aqui que a qualidade dos componentes do amortecedor é fundamental para o seu bom funcionamento. Especialmente o selo de vedação, que talvez você conheça pelo nome de retentor — ele é importantíssimo, já que faz a vedação na parte em que a haste se desloca.

Isso é essencial porque o atrito na região deve ser o menor possível e, além disso, o selo deve suportar a pressão de dentro do amortecedor.

Como deve funcionar um bom amortecedor?

Na posição em que os amortecedores se encontram (entre o chassi e o eixo das rodas de um automóvel), eles se tornam capazes de amortecer impactos, já que absorvem as oscilações que ocorrem nessa parte do veículo.

Tipos de amortecedor

Quando se fala em funcionamento, os amortecedores podem ser divididos em dois tipos, como veremos logo abaixo.

Amortecedor hidráulico

O amortecedor hidráulico é formado pelo pistão e pelas válvulas. São fixados a uma haste que se desloca dentro de um tubo com um óleo especial, capaz de suportar altas temperaturas e pressões. A função das válvulas é regular a passagem do óleo, controlando a velocidade de deslocamento da haste.

Amortecedor pressurizado

O amortecedor pressurizado é composto pelos mesmos itens. A diferença é que o fluido é pressurizado pelo gás nitrogênio, que é adicionado ao amortecedor para evitar falhas de acionamento, mesmo nas condições mais severas.

Vale ressaltar que não existe um tipo melhor ou pior de amortecedor. Tanto o sistema hidráulico quanto o sistema pressurizado são bons, mas a aplicabilidade de cada um é diferente. Cada montadora é responsável por definir qual tipo de amortecedor o veículo fabricado por ela utilizará.

Amortecedores recondicionados

É comum que os clientes fiquem tentados a adquirir amortecedores recondicionados. Afinal, eles são mais baratos e, frequentemente, algumas pessoas costumam recomendá-los como se fossem tão bons e duráveis quanto os originais.

Porém, a verdade é que eles não são! Reforce a informação ao cliente de que um amortecedor costuma ser acionado 1 milhão de vezes a cada mil km rodados. Ele é essencial para a segurança do motorista e das demais pessoas que estão no trânsito — é preciso levar em conta que a quebra desse componente pode provocar um acidente grave, envolvendo outros veículos. Além disso, amortecedores recondicionados, estatisticamente, quebram com mais frequência do que peças novas.

Além disso, quando chegar a hora de trocar os amortecedores, a recomendação é que o cliente não fique apenas na peça principal, mas sim em todos os componentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Duvidas? Converse conosco